top of page
  • Anefac A

CFO: 5 pilares para o sucesso das lideranças financeiras



Em um cenário de mudanças significativas em curso no mercado e no comportamento da sociedade, muitas empresas têm buscado entender como realizar, de forma efetiva e exitosa, a transformação digital de seus processos – a qual já representa uma obrigação para as organizações que pretendem se manter relevantes em seu segmento.


E, ao mesmo tempo em que entendem a necessidade e a intensidade que o contexto demanda, naturalmente existe uma busca por segurança e certeza em toda essa jornada de transformação, o que atribui maior destaque e importância para determinados líderes de uma corporação. Sob essa perspectiva, muitas companhias têm ampliado o protagonismo daqueles cuja responsabilidade é manter a estabilidade e solidez fiscal dos negócios: os diretores financeiros (CFOs).


Isso porque, de modo geral, espera-se dessas lideranças um entendimento abrangente do quadro geral da organização e a capacidade de entregar resultados mesmo – ou especialmente – em tempos de mudança.


Contudo, a obtenção de sucesso das lideranças financeiras nessa jornada não é algo simples, e demanda, naturalmente, atenção, organização, proatividade e mentalidade inovadora, não só por parte dos profissionais, mas também da empresa como um todo.


Foco na estratégia Pela posição que ocupa na empresa, são os CFOs que fornecem os meios para que a operação seja, de fato, estratégica. No contexto da transformação digital, isso inclui considerar e eventualmente adotar a implementação de novas tecnologias que permitam análises mais completas e avançadas do ponto de vista financeiro.


Atualmente, conforme aponta um recente (e fantástico!) relatório da IBM, o papel desses líderes tem mudado de administrador financeiro para parceiro estratégico do CEO, justamente pela importância das finanças na tomada de decisões e na execução de estratégias – além do monitoramento dessas implantações e controle de riscos.


Assim, os melhores resultados surgem quando os CFOs apoiam e influenciam a transformação, em vez de tomá-la unicamente para si.


Agilidade organizacional A adoção de processos ágeis em uma organização permite que o setor financeiro das empresas seja o "guardião da estabilidade e transformação", por meio da gestão de recursos, e pode proporcionar a governança adequada para a tomada de decisões e gestão de desempenho.


Isso porque um ambiente ágil prioriza a colaboração em detrimento da hierarquia, permitindo uma tomada de decisão também mais rápida, mas eficaz. Essa mentalidade, ainda, facilita a automação de processos por meio de tecnologia, de modo que as atenções possam ser voltadas a análises mais aprofundadas e a construção de ações direcionadas.


A importância dos dados Processos que facilitem o acesso, integração e análise de dados são essenciais para tomadas de decisão mais objetivas e eficientes, e esclarecem onde é possível avançar e, de fato, criar valor.


Além disso, a construção de um sistema padronizado e integrado confere maior transparência dos dados, de modo que se torna mais fácil aplicar tecnologias como inteligência artificial a um conjunto de informações de um negócio. Isso, por consequência, pode gerar insights valiosos para a avaliação de situações e simulação de cenários que possam se apresentar no futuro.


Redefinição de habilidades – e talentos Como lembrado pela IBM, o talento é a peça-chave para o êxito na tomada de decisões financeiras, e executivos têm olhado mais atentamente para habilidades relacionadas a uma mentalidade e execução ágeis.


É interessante que, de modo contínuo, líderes avaliem o desempenho dos funcionários e recompensem aqueles com capacidades que gerem valor nesse cenário. Isso porque uma estratégia de transformação adequada define um plano para os profissionais, o que inclui o investimento em tecnologias para o suporte de processos mais inteligentes e construção de relações de negócio profundas.


Ainda, novas ferramentas digitais já permitem a identificação de novos líderes e a criação de experiências de aprendizagem personalizadas.


Novos fluxos de trabalho A implantação de fluxos de trabalho inteligentes é fundamental para a criação de valor e para que novos processos funcionem da maneira mais fluida possível – principalmente para melhorar as tomadas de decisão. Naturalmente, abrangem ferramentas de mineração e análise avançada de dados e inteligência artificial.


A combinação de análises preditivas e inteligência artificial possibilita a atribuição de autonomia aos processos, liberando a atividade humana focada em atividades de maior valor estratégico para a organização.


Naturalmente, o sucesso dos CFOs e suas equipes na jornada de transformação digital de uma empresa passa por todos esses pontos, e é crucial que estejam alinhados em um plano estratégico voltado à reorganização de processos.


Muito disso também se relaciona à cultura organizacional da empresa, que deve priorizar uma mentalidade inovadora entre seus profissionais, em tempos em que ser inovador é uma questão, ao mesmo tempo, de diferenciação, sobrevivência e ganho de relevância – e isso, sem dúvidas, vale para os líderes financeiros que, cada vez mais, assumem as proas da mudança.


Artigo escrito por Alexandre Velilla, head de Administração da ANEFAC Referência:

https://www.ibm.com/thought-leadership/institute-business-value/en-us/c-suite-study/cfo

29 visualizações0 comentário
bottom of page