top of page

Feliz ano velho, feliz ano novo...

Uma retrospectiva dos assuntos que foram importantes na área de tecnologia esse ano.



Hoje eu quero relembrar com vocês as principais notícias da área de tecnologia, não necessariamente na ordem cronológica, mas os assuntos que tiveram destaques no ano de 2023.

 

E não temos como começar por outro tema, o ChatGPT estampou as notícias esse ano. Caso você não esteja ligando a solução ao nome, o ChatGPT é a inteligência artificial, desenvolvido pela OpenAI, capaz de responder a perguntas sobre os mais variados assuntos, resolver problemas lógicos e fornecer soluções adequadas por meio de mensagens simulando uma conversa real entre seres humanos. Para entender o que foi essa revolução, deixo como sugestão de leitura o artigo que escrevi no início do ano sobre o tema chamado: “ChatGPT será a próxima grande revolução da área da tecnologia? (https://startupi.com.br/chatgpt-revolucao-da-area-da-tecnologia/)”.

 

Para você ter uma ideia do quão forte foi o impacto dessa revolução, a maioria das Big Techs correram para criar um ChatGPT para chamar de seu. Abaixo, exemplifico, de forma resumida, as ações que cada empresa tomou.

 

A Microsoft saiu na frente dessa busca e foi diretamente na fonte, investindo em torno de US$ 13 bilhões na OpenAI, criadora do ChatGPT, selando uma parceria para usar a solução em seus produtos. O buscador da empresa Bing já incorporou a inteligência artificial em seu buscador, o que provocou um aumento do uso, preocupando até o intocável, até então, Google. Nesse ano ela ampliou as integrações com as suas soluções residenciais e corporativas. Porém nem tudo são flores. Agora em dezembro o órgão responsável por fiscalizar a concorrência do Reino Unido, informou que está investigando a parceria entre a Microsoft e a OpenAI, devido a mudanças recentes na diretoria da empresa pioneira da inteligência artificial. Veremos o desenrolar dessa investigação no próximo ano.

 

A Google também sentiu o impacto, e após anos de domínio entre os buscadores e publicidade on-line, ficou preocupada com o avanço do ChatGPT, principalmente entre os usuários mais leigos da área de informática, devido a facilidade de interagir com a inteligência artificial. Com a parceria da rival Microsoft com a OpenAI e integrando em seu buscador chamado Bing, a Google percebeu que teria que responder à altura. Sendo assim, em seis de fevereiro desse ano, a empresa anunciou seu contra-ataque lançando o seu ChatGPT chamado “Bard”. Se você ficou interessado nessa história, eu a conto com mais detalhes em um artigo que escrevi nessa época chamado: “ChatGPT: O Google contra-ataca (https://startupi.com.br/google-contra-ataca/)”.


A Meta, empresa dona do Facebook, Instagram e WhatsApp, que inclusive possui esse nome desde 2021 quando a empresa voltou todos os seus esforços no Metaverso. Eles acreditavam que o ano de 2023 consolidaria a tecnologia no mundo, porém acabou tendo seus planos frustrados. O Metaverso não decolou e pior, a maioria das empresas acabaram abandonando ou demitindo seus times dedicados a esse projeto, como por exemplo a Microsoft e a Disney que encerraram suas divisões que cuidavam da pesquisa dessa tecnologia. Após muitos fracassos, e em meio a uma demissão de 21 mil funcionários, a Meta mudou os objetivos da empresa, ainda no primeiro semestre desse ano. Segundo o que foi divulgado, os objetivos agora são: "Nosso foco para este ano é em inteligência artificial, mensagens, criadores e monetização". Um dos motivos do fracasso dessa tecnologia, segundo especialistas, foi o sucesso das inteligências artificiais perante o público em geral, devido a maior facilidade de interação com a tecnologia. Com isso o metaverso cada vez mais ficando em segundo plano.

 

A Apple parece ter seu mundo à parte. Por ter um público fiel, informou que pretende ter o seu “ChatGPT” próprio apenas em meados do final de 2024, junto com o lançamento do iOS 18 (O iOS é um sistema operacional desenvolvido exclusivamente para dispositivos da Apple). A empresa pede paciência e cautela a seus usuários, pois antes de tudo a Apple se preocupa com os dados pessoais de seus usuários e quer uma solução que mantenha a privacidade do cliente. E para reforçar essa questão dessa empresa parecer ter um mundo à parte, ela é uma das poucas que anunciou esse ano novidades para o metaverso, com o lançamento de óculos virtuais. Para você entender melhor essa história deixo uma recomendação de leitura do artigo: “Apple pode ressuscitar o Metaverso com lançamento de óculos virtuais (https://startupi.com.br/apple-pode-ressuscitar-o-metaverso/)”.

 

Não podemos esquecer de que apesar de todo mundo lembrar do nome “ChatGPT”, ele nada mais é do que um modelo de inteligência artificial, que foi o verdadeiro destaque do ano, inclusive gerando motivos de preocupação no mundo por seu avanço desenfreado. Tanto que, no dia 22 de março de 2023 foi publicada uma “carta aberta” intitulada “Pause Giant AI Experiments”, (Uma tradução livre como: Pause experimentos gigantes de IA), com a seguinte recomendação: “Pedimos a todos os laboratórios de IA que parem imediatamente por pelo menos 6 meses o treinamento de sistemas de IA mais poderosos que o GPT-4”, com o seguinte argumento “Os sistemas de IA com inteligência competitiva humana podem representar riscos profundos para a sociedade e a humanidade”. Essa carta chamou a atenção por ter nomes muito conhecidos como o de Elon Musk, bilionário, dono da Tesla, SpaceX e Twitter e de Steve Wozniak, cofundador da Apple, além de muitos outros. Ficou curioso para saber quem mais assinou essa carta e como os principais países do mundo estão tratando esse assunto de regulamentação de inteligências artificiais, deixo aqui a recomendação do artigo: “Parem os robôs: as inteligências artificiais precisam de uma pausa (https://startupi.com.br/lilian-primo-inteligencias-artificiais-precisam-de-uma-pausa/)”.

 

 

Nesse ano de 2023, presenciamos uma das maiores greves de roteiristas e atores, que parou as produções de cinema em Hollywood por quase meio ano. Porém você pode estar se perguntando, essa não é uma retrospectiva das notícias de tecnologia? Essa greve teve como principal ponto a tecnologia, mais especificamente os últimos avanços em inteligência artificial, streaming e computação gráfica. De uma forma resumida vou focar em duas principais reivindicações que envolveu diretamente a área de tecnologia.

 

A primeira, tanto os roteiristas como atores reivindicam a revisão dos pagamentos dos ganhos residuais. Na prática esse sistema funciona assim, o contrato que as pessoas envolvidas no filme ou série assinavam, previa o pagamento de um valor quando era reexibido na TV ou com a venda de DVD e blu-ray, porém, com o crescimento do Streaming de vídeos, como Netflix, Amazon Prime, Disney Plus, etc, esse repasse vem caindo, pois os serviços entendem que não devem pagar por exibição e como eles são donos das plataformas fica difícil auditar o quanto deve ser pago.

 

A segunda reivindicação é a questão de uso das inteligências artificiais que afetam de forma diferente os atores e os roteiristas. No caso dos roteiristas a preocupação sobre o uso de inteligência artificial foi explicada de forma clara em uma entrevista para a CNN concedida por John August, membro do comitê do WGA, um roteirista conhecido que já escreveu filmes famosos como “As Panteras”, “A noiva cadáver”, “Aladdin – Live Action”, entre outros. John falou que: “Os roteiristas estão preocupados com o fato de nossos roteiros serem o material de alimentação que está entrando nesses sistemas para gerar outros roteiros, tratamentos e escrever ideias de histórias. O trabalho que fazemos não pode ser substituído por esses sistemas”.

 

Para os atores, a questão de uso de inteligência artificial, está mais ligada à utilização de sua imagem. Segundo Duncan Crabtree-Ireland, os estúdios recentemente ofereceram uma proposta inovadora, segundo ele “Naquela proposta inovadora de inteligência artificial, eles propuseram que nossos artistas figurantes pudessem ser digitalizados, pagos por um dia de trabalho, e a empresa ia possuir essa digitalização. A imagem, então, poderia ser usada para o resto da eternidade em qualquer projeto que quiserem, sem consentimento e sem compensação” e completou “Então, se acham que é uma proposta inovadora, sugiro que pensem novamente”. E se você acha que usar atores digitais está a um futuro tão distante, talvez você não se lembre, mais já usamos essa tecnologia há algum tempo. Em 2016 o filme “Rogue One: Uma História Star Wars” usou a tecnologia de CGI (Computer Generated Imagery) para trazer de volta o ator Peter Cushing, que havia falecido em 1994 e interpretando o personagem Moff Tarkin no filme de 1977 “Star War - Episódio IV: Uma Nova Esperança”, para o novo filme com o mesmo papel.

 

Esse ano ainda tivemos uma das brigas na área da tecnologia mais inusitadas entre “Elon Musk Vs Mark Zuckerberg”. Agora você deve estar pensando que esses bilionários, considerados gênios na área de tecnologia e inovação, estão travando alguma disputa intelectual? E até certo ponto é verdade, pois existe uma disputa entre o Twitter de Musk e a nova rede Threads de Mark. Isso evoluiu não apenas para uma briga intelectual e sim física. Sugiro a leitura de um artigo que entro mais a fundo nesse tema chamado: “Duelo de titãs: Elon Musk vs Mark Zuckerberg  (https://startupi.com.br/elon-musk-vs-mark-zuckerberg/)”. Porém, adiantando um pouco o final dessa história, apesar das bravatas dos dois bilionários em redes sociais, parece que a luta ficará só no virtual mesmo e não haverá mais a luta física de fato. Porém, em se tratando de Elon Musk, vamos ficar de olho.

 

E por fim, infelizmente, não tenho como deixar de comentar o aumento do número de golpes usando cada vez mais novas tecnologias. Com a evolução das inteligências artificiais, golpes mais elaborados podem ser feitos, usando o conceito de “Deep Fake”. Essa palavra possivelmente tem origem do conceito de “Deep Learning” que é o aprendizado de máquina baseado em redes neurais artificiais, para funcionar como o cérebro humano. É uma técnica ou inteligência que aprende conforme mais dados forem oferecidos a ela. Dessa forma, com o” Deep Fake” você usa a técnica de aprendizado, por exemplo, para imitar o rosto, a voz da pessoa e até mesmo inserir o rosto em outro corpo, de forma orgânica, onde você não note a diferença e pense que é real.

 

Antigamente havia golpes onde uma pessoa ligava se passando por outra e na maioria das vezes você notava que era um golpe. Agora imagine o mesmo golpe com a voz e o jeito de falar da sua mãe, ou mesmo uma ligação por vídeo onde apareça a sua mãe pedindo dinheiro, como saber se é verdade? Ainda temos uma outra forma que tem crescido nesse ano que é o “Deep Nudes”. Nesse final de novembro, a surfista portuguesa Mariana Rocha Assis, de 26 anos, disse em suas redes sociais que estava sendo extorquida por pessoas que geraram imagens dela nua através de inteligências artificias. Infelizmente não é um caso isolado, durante o ano tivemos alguns casos desse tipo de crime, como da atriz Ísis Valverde, que acionou seus advogados, depois de descobrir fotos dela nua também criadas com ajuda de I.A. Apesar do corpo usado não ser da pessoa, se ponha no lugar da vítima e por mais que as fotos não sejam exatamente do seu corpo, as pessoas que vão receber não sabem. Imagine essas fotos vazadas em grupos da família, ou no seu trabalho. Você não se sentiria como se elas fossem reais?

 

Esses tipos de técnicas serão um desafio enorme para as eleições no ano que vem. Imagine receber um áudio ou vídeo de um candidato A ou B a fim de tirar votos. Isso será um grande teste de fogo para o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) de como combater esse tipo de desinformação. As próximas eleições poderão ser a que mais teremos fake News difíceis de se identificar. Caberá ao eleitor sempre checar a fonte das notícias e dos vídeos.

 

Acredito que já tenha me alongado muito nessa retrospectiva. Ainda tivemos muitos outros acontecimentos na área da tecnologia que ficaram de fora, tentei focar nos casos que mais impactaram esse ano de 2023, afinal cada vez mais a área de tecnologia tem invadido todas as áreas da humanidade, sendo um caminho sem volta. Gosto de encerrar os artigos com uma frase e, pensando nessa questão de inteligências artificial e a preocupação que temos com ela, encontrei a frase de Sidney Harris, jornalista e cartunista estadunidense, que pode nos ajudar a refletir sobre o tema:

 

O perigo de verdade não é que computadores passem a pensar como humanos, mas sim que humanos passem a pensar como computadores” - Sydney Harris.

 

Um feliz ano novo a todos vocês leitores e nos vemos no ano que vem.

Artigo escrito por Lilian Primo Albuquerque, head de Empreendedorismo e Startups na ANEFAC




14 visualizações0 comentário
bottom of page